[Resenha] Para Continuar – Felipe Colbert

para-continuar_final_1

Título: Para Continuar
Autor: Felipe Colbert
Editora: Novo Conceito
Ano: 2015
Páginas: 224
Envolver-se com a jovem Ayako é a oportunidade perfeita para Leonardo César esquecer a sua vida tediosa e perigosamente limitada, tudo por culpa do seu coração defeituoso.
Enquanto isso, com a ajuda de seu avô, Ayako tem a difícil missão de manter inacessível um porão de dimensões que vão além da loja de luminárias que ela gerencia, repleto de milhares de lanternas orientais, cujo mistério envolve os habitantes do bairro da Liberdade.
A partir dos crescentes encontros entre Leonardo e Ayako, uma nova lanterna surgirá para os dois. Eles terão que protegê-la com afinco, ou tudo que construíram juntos poderá desaparecer a qualquer momento.
O que ninguém conseguiria prever é que Ho, um jovem chinês também apaixonado por Ayako, colocaria em risco o futuro desse objeto. E com ele, o sentimento mais importante que dois seres humanos já experimentaram.

O que eu achei de Para Continuar?

Escrito em uma linguagem moderna e fluida, Para Continuar é o mais novo romance de Felipe Colbert, lançado pela Editora Novo Conceito. Com um toque de magia, assim como Belleville, o livro conta a história de Leonardo, um rapaz que se apaixona à primeira vista por uma garota no metrô. Ele tem um problema no coração que o impede de ter uma vida minimamente agitada, enquanto ela, uma japonesa que mora com o avô no mesmo prédio onde funciona sua loja de objetos de decoração típicos, no bairro da Liberdade, tem uma vida restrita pela incumbência de cuidar do que há no porão da loja. Ho, um chinês que vive com Ayako (a moça) e o avô, é apaixonado por ela e, ao perceber que Leonardo pode ser uma ameaça, passa a se comportar de modo esquisito.
Apesar de a leitura ser fácil e fluida, Para Continuar não foi um dos meus livros preferidos, por diversas razões. A primeira delas é que, além de não gostar da culinária japonesa, não sou uma admiradora da cultura, do estilo ou da filosofia dos japoneses, então, não consegui me conectar à ambientação do livro de modo adequado.
Em segundo lugar, algumas pontas ficaram soltas, como por exemplo, a origem da história das lanternas e até mesmo uma influência maior delas nos personagens, que é o que se espera, tanto pela capa, quanto pelo mistério que as envolve.
Durante boa parte da história de Prometo Continuar eu fiquei me perguntando qual seria a função do Ho, até que quando chega o final, mesmo ficando claro o que aconteceu, não consegui me convencer de que ele tenha sido necessário à trama como um todo. Ele foi um personagem que me irritou, não consegui entende-lo nem simpatizar com ele… nem a mínima compaixão por sua condição, a ponto de ler as páginas sobre ele um pouco mais rápido, confesso… Considero a leitura razoável. A qualidade do texto de Para Continuar é ótima, isso é incontestável, mas a história infelizmente não me pegou.