[Blogagem Coletiva] Dia do Amigo

Hoje é dia do Amigo!! Você já deu um abraço nos seus amigos hoje? Leia esse post, da blogagem coletiva do grupo Culturação.

Venho pensando sobre amizades já faz um tempo. Sempre que acontece alguma coisa, que alguém se afasta, ou faz algo que me entristece, eu volto a refletir sobre quem são meus amigos, quem veio e ficou, quem só passou e quem ficou um bom tempo na minha vida e de repente foi embora. Por ser um tema que mexe bastante comigo, que já foi tema de sessões de terapia, conversas com outros amigos e até alguns textos que eu nem cheguei a publicar, sempre que aparece a oportunidade de escrever sobre isso, eu deixo para aqueles dias em que eu posso deixar os pensamentos irem em todas as direções. Como hoje.

Não posso dizer que não tive amigos, nem que não tenho. Às vezes eu até penso que não devo saber muito bem como lidar com eles, porque a quantidade de gente que some do mapa é bem maior do que a de quem fica. E por ficar eu não falo nem daquele contato constante, ligar todo dia, conversar toda hora… Eu falo é do vínculo, em si. Alguns se rompem muito facilmente. Pelo menos, no fim das contas, meu saldo ainda é positivo.

Teve aquele amigo que eu adorava, mas que nunca consegui convidar pro meu aniversário. A gente casou no gramado do campo de futebol aos seis anos de idade, mas acho que já devemos ter nos divorciado, porque não tenho mais contato com ele, a não ser uma ou outra foto no Facebook que eu vejo, mas não comento.

As amigas que embarcavam nas minhas loucuras de inventar peças de teatro e que me ajudavam a movimentar a escola toda, em todos os períodos, pra assistir nossas apresentações supercaprichadas, com cenários, figurinos, maquiagem…

A amiga que tinha o corte de cabelo, a letra e a vontade de estudar igual à minha; a amiga que tinha a mãe mais louca, mas que me recebeu na casa dela quando a minha estava em uma época meio… confusa.

A amiga que me acompanhou em diversas descobertas, que me abraçou e segurou minhas mãos quando eu precisei e que fez parte da minha fase de maior transformação.

A amiga que foi meu primeiro cupido, professora de física, apoio espiritual.

Aquela que me apresentou o lado mais louco da vida, a diversão com pouca coisa, a risada no meio da tragédia. A amiga que me mostrou que eu não precisava aceitar qualquer coisa, mas que eu tinha que seguir meu coração.

A amiga que aprendeu comigo a ir pra balada e que se perdia comigo pelas ruas da cidade. A amiga que foi meu segundo cupido.

O amigo que me trouxe de volta pro caminho. O amigo que virava a noite na internet conversando comigo. O amigo que me fez aprender a gostar de coisas novas.

O amigo que era meu companheiro de aventuras nas noites da cidade. O amigo que cantava comigo no fundão da sala – na única oportunidade que eu tive de ser fundão. O amigo que me escrevia cartinhas.

Sou uma pessoa de muita sorte, por ter tantos amigos! Por ter tido a oportunidade de conviver com essas pessoas e de ter minha vida transformada pela amizade. Vocês são especiais, muito obrigada!