[Resenha] Primeiro e Único – Emily Giffin

primeiro e único

Título: Primeiro e Único

Autora: Emily Giffin

Editora: Novo Conceito

Ano: 2015

Páginas: 448

Shea tem 33 anos e passou toda a sua vida em uma cidadezinha universitária que vive em função do futebol americano. Criada junto

com sua melhor amigas, Lucy, filha do lendário treinador Clive Carr, Shea nunca teve coragem de deixar sua terra natal. Acabou cursando a universidade, onde conseguiu um emprego no departamento atlético e passa todos os dias junto do treinador e já está no mesmo cargo há mais de dez anos.

Quando finalmente abre mão da segurança e decide trilhar um caminho desconhecido, Shea descobre novas verdades sobre pessoas e fatos e essa situação a obriga a confrontar seus desejos mais profundos, seus medos e segredos.

A aclamada autora de Questões do Coração e Presentes da Vida criou uma história extraordinária sobre amor e lealdade e sobre uma heroína não convencional que luta para conciliá-los.

O que eu achei de Primeiro e Único?

O livro Primeiro e Único é o sétimo de Emily Giffin, mas o primeiro que eu li da autora. A escolha desse livro se deu mais pela vontade de ler algo dela do que pela sinopse ou pela capa. Não sou uma fã de esportes, e a referência ao futebol americano na capa me deixou um pouco receosa sobre o livro, mas ao começar percebi que estava me preocupando sem motivos.

Primeiro e Único conta a história de Shea, uma mulher de 33 anos que passou a vida inteira na mesma cidade, estudou na universidade de lá e sempre trabalhou no mesmo lugar: o departamento de esportes do Walker, o time de futebol americano da universidade, que era comandado pelo pai da sua melhor amiga, Lucy.

No início da história, com o falecimento da mãe de Lucy, Shea passa a refletir sobre muita coisa, principalmente seu comodismo em relação ao namoro com Miller e o trabalho que não era nem de longe o que a traria mais realização profissional.

Apesar do respeito e do relacionamento próximo  com o treinador Carr e sua família, Shea acaba aceitando seu conselho e deixando a Walker para ir trabalhar em um jornal. Ela também acaba se envolvendo com Ryan James, o principal jogador de futebol americano do país.

Com o tempo, porém, ela vai se tornando cada vez mais próxima do treinador, ganha sua confiança e passa a ser até mesmo sua confidente. Eles passam cada vez mais tempo juntos e ela percebe que o que sente por ele está muito além de uma simples admiração.

A trama de Primeiro e Único é leve e carregada de romance, referências sutis, algo bem diferente do conteúdo explicito de tantos romances eróticos. É algo que me agrada muito e que vai me fazer ler mais livros da autora, com certeza.

Apesar de algumas referências desnecessárias como a história do passado de Ryan James e a demonização dele ao longo da história, como que para justificar que o treinador Carr seria muito melhor que ele, para Shea, achei a leitura muito agradável e envolvente, o tipo de romance que aquece o coração e é ótimo para os dias em que estamos de bobeira em casa. Mesmo cheio de clichês, que muita gente despreza e eu amo.

Algumas coisas me incomodaram um pouco, como as complicadas referências às jogadas do futebol amercano, com o qual não estamos familiarizados, alguns erros ortográficos graves e algumas frases com construções esquisitas, fruto de uma tradução – ou uma revisão – sem tanto cuidado. Tirando isso, eu amei Primeiro e Único e com certeza recomendo!