[Resenha] De Repente, Ana – Marina Carvalho

de repente, ana

Título: De Repente, Ana

Autora: Marina Carvalho

Editora: Novo Conceito

Ano: 2014

Páginas: 320

Ana decidiu viver permanentemente na Krósvia, e tudo está às mil maravilhas. Além do namoro cada vez mais sério com Alexander, ela tem um emprego fixo na embaixada brasileira e dedica parte de seu tempo às meninas do Lar Irmã Celeste.

Mesmo cumprindo tantos compromissos sociais como princesa, Ana nunca foi tão feliz. Porém, de uma hora para outra, tudo muda. Seu pai, o rei Andrej Markov, sofre um grave acidente e vai parar na UTI. Não resta alternativa: Ana vai ter que assumir o trono da Krósvia e governar a nação.

Pouco – ou quase nada – familiarizada com a função, ela vai precisar de ajuda não só para reger o seu país, mas também para manter perto de si aqueles que ama. Muita gente está interessada no seu fracasso.

O que eu achei de De Repente, Ana?

De Repente, Ana é a sequência de Simplesmente Ana e se passa cerca de dois anos depois da história narrada no primeiro livro. Já vivendo na Krósvia, Ana mantém um relacionamento cada vez mais sério com Alex, o enteado irresistível de seu pai, o rei Andrej. Com uma vida corrida e cada vez mais monitorada pelos paparazzi, a vida de princesa de Ana se resume a trabalhar na embaixada, cumprir suas obrigações protocolares e fugir das lentes maldosas da imprensa, para namorar.

Tudo é relativamente calmo em sua vida, e pode-se dizer que ela até já se acostumou. Até que algo inesperado acontece. Um acidente com o rei Andrej, que fica entre a vida e a morte, coloca Ana na função de rainha interina e a apresenta desafios ainda maiores do que os que costumava lidar quando tudo ainda estava sob o controle do pai.

Além de ter que fazer milhares de coisas e aprender a se comportar socialmente como uma rainha e a dizer e falar aquilo que os assessores a instruem a fazer, Ana tem que aprender a controlar as suas emoções. A incerteza quanto à recuperação do seu pai a deixa sensível e emocionalmente instável, mas ao mesmo tempo, a posição que agora ocupa não a permite muitos momentos de livre expressão do que sente e pensa. Como representante da nação, tudo o que diz tem um grande impacto diplomático.

Em contraste a toda essa dificuldade com seu papel público, Ana tem o apoio e o amor de Alex, que poderiam representar uma fonte de descanso e segurança, não fosse pelo fato de que a tal rival com nome de cachorro está determinada a acabar com o relacionamento deles e é capaz de fazer de tudo para alcançar seu objetivo. Laika se insinua e aparece no apartamento de Alex, enquanto Ana recebe ameaças anônimas e luta contra a sensação de que seu namoro está por um fio.

De repente, Ana é uma continuação muito bem feita e amarrada. Diferentemente do primeiro livro, onde boa parte do foco estava na inegável atração entre Ana e Alex, no segundo livro a história se concentra mais no mistério, nas conspirações que entrelaçam a atuação política de Ana e a sua vida pessoal.

Gostei muito do livro. A escrita de Marina Carvalho é bem leve e fluida. Ela descreve muito bem as cenas e as sensações, sem ser explícita. O vocabulário de De Repente, Ana é excelente e a edição está muito boa. A trama é bem elaborada e prende a atenção do começo ao fim.

Confesso que fiquei com um pouco de receio de ler uma continuação, pois normalmente não gosto de histórias que esgotam o “depois do felizes para sempre”. Na maioria das vezes esse tipo de abordagem deixa a história cansativa e sem graça, mas Marina Carvalho soube mudar o foco da leitura em De Repente, Ana, colocando o relacionamento já existente como uma pimenta a mais na trama complicada em que Ana estava inserida.

Vale a pena a leitura. Se você gostou de Alex no primeiro livro, poderá matar a saudade dele em De Repente, Ana e relembrar seu jeito sexy e arrebatador, além de se identificar com as inseguranças e os dramas da jovem Ana.