[Resenha] Filho da Terra – Josy Stoque

Capa - Filho da Terra - Frente

Título: Filho da Terra

Autora: Josy Stoque

Editora: Amazon

Ano: 2014

Páginas: 205

Já se sentiu tão deslocado que faria qualquer coisa para ser aceito? E se você sempre agisse de maneira correta, como um bom filho, namorado e chefe e, mesmo assim, se tornasse um inimigo em sua própria casa? Na noite em que Lucca Gonçalves decide pedir a mão de Vitória em casamento, se depara com uma bela índia. O mundo se refaz no chocolate dos olhos dela e a força mística do ônix o instiga a acreditar no impossível.
Um homem enraizado na razão e soterrado por um amor inesperado.

O que eu achei de Filho da Terra?

Filho da Terra, o segundo volume da Saga Os Qu4tro Elementos, de Josy Stoque, continua a partir do final de Marcada a Fogo, mas tem um enfoque diferente daquele livro. A história principal é sobre Lucca, um arqueólogo apaixonado por seu trabalho, que mantém um relacionamento de muitos anos com a filha do fazendeiro mais rico da região e que tem um relacionamento aparentemente distante com a família adotiva.

Lucca, apesar de um homem bom e sensível, não parece estar realmente vivendo. Leva sua vida como se fosse no automático, seus relacionamentos são  empurrados com a barriga e até suas amizades parecem estar todas vinculadas ao trabalho, a única atividade que o preenche um pouco mais e o ambiente onde ele se sente melhor.

Toda sua vida parece ter entrado em uma inércia que o está levando de forma automática a seguir caminhos e a tomar decisões que podem não ser as mais acertadas. Até que ele conhece Mainá.

A índia, totalmente inserida na cultura branca, mas que ainda preserva os elementos de sua cultura e crê, inclusive na profecia que ouviu ao nascer, de que seu destino era ser Prometida do Filho da Terra. Ela passou a vida esperando encontrá-lo e quando isso acontece, ela tem a certeza de que o destino estava certa e que Lucca era o homem para quem ela havia sido destinada desde sempre. Porém, ele era comprometido com a filha do coronel mais poderoso da região e estava inclusive de casamento marcado.

A partir do momento em que conhece Mainá e que tem contato com a pedra preta que ela carrega em seu pescoço, Lucca é despertado para uma série de sensações e pensamentos que ainda não havia experimentado. Ele passa por um processo de transformação, como o de Tamires, mas com efeitos e características totalmente diferentes e que conferem a este livro características próprias.

Apesar de fazer parte de uma série, a história de Filho da Terra está centrada especialmente em Lucca e Mainá, apesar de fazer constantes paralelos com os demais personagens que conhecemos em Marcada a Fogo, em um contexto um pouco diferenciado. O que faz de Filho da Terra um livro singular é o modo como as transformações acontecem e a história se desenvolve.

Filho da Terra é um livro mais introspectivo, porque Lucca é um homem mais centrado em si mesmo, que pensa muito, não externa tanto seus sentimentos. Além disso, o fato de ser um homem ligado ao elemento terra o faz passar por um processo de transformação diferente de Tamires. Enquanto ela tinha que atravessar um momento intenso, eletrizante, cheio de emoções e quase uma histeria, as experiências de Lucca eram muito mais racionais e mentais, um processo que ocorreu de dentro pra fora.

Além disso, se em Marcada a Fogo as cores fortes e brilhantes eram o acompanhamento dos acontecimentos quentes e intensos do livro, em Filho da Terra o processo de transformação e autoconhecimento de Lucca é quase frio como a terra, sóbrio como os tons de verde e marrom do Pantanal e trabalhoso como as escavações a que ele estava acostumado a fazer no sítio arqueológico.

Apesar de ser uma leitura emocionante e rápida, Filho da Terra não me despertou as mesmas sensações que Marcada a Fogo. Neste livro, a sensação era de uma descoberta lenta, mas profunda, como uma escavação para dentro de Lucca e para dentro de mim. Neste volume, assim como no anterior, a estrutura do texto e a riqueza das descrições das paisagens brasileiras acompanham as características do elemento que rege a história. É por isso que eu recomendo a leitura de Filho da Terra.