[Resenha] My Favorite Mistake – Chelsea M. Cameron

MY_FAVORITE_MISTAKE_1353268996P

Título: My Favorite Mistake

Autora: Chelsea M. Cameron

Editora: Amazon

Ano: 2012

Páginas: 370

Taylor Caldwell não pode decidir se ela quer beijar o colega de faculdade novo ou socá-lo. Por um lado, Hunter Zaccadelli é um belo pacote de charme com olhos azuis. Por outro lado, ele é um tatuado, guitarrista e bad boy. Talvez seja por isso que Taylor tem medo de se apaixonar por ele, ou qualquer outra pessoa. Ela não quer se queimar, e mesmo que seus colegas de quarto o adorassem, ela quer que ele vá embora, antes que seja tarde demais. Hunter já tinha se queimado antes, mas o fato de Taylor ir com sua cara e de chamá-lo de lixo e de ter a risada mais sexy, o faz pensar que talvez o amor não seja uma causa perdida. Eles fazem uma aposta: se ela pode convencê-lo de que ela realmente ama ou o odeia, ele vai sair do apartamento – e deixá-la sozinha. O problema é que, quanto mais o tempo os dois passam juntos, menos ela o odeia, e mais se move em direção ao amor. Mas quando o homem que detém a chave para o medo de Taylor ressurge, seu coração se vê ameaçado e tudo pode se desfazer, ai ela tem que decidir: confiar a Hunter seu maior segredo, ou fazer tudo que pode para ganhar essa aposta e afastá-lo para sempre.

O que eu achei de My Favorite Mistake?

O livro My Favorite Mistake é do gênero new adult, um dos que eu mais li no ano passado. Resolvi escrever sobre essas leituras somente agora, pois acredito que, na época minha opinião estaria manchada pelas diversas leituras semelhantes que fiz, o que não seria junto com nenhuma das obras, inclusive essa. Fiquei sabendo do livro, ainda não publicado em português (que eu saiba), por um grupo de leitura que participo. As meninas estavam enlouquecidas pelo livro, eu estava na onda de leitura desse gênero, então foi meio natural pegá-lo para ler.

A leitura de My Favorite Mistake é leve e rápida. A história envolve o clichê de sempre… uma garota, um garoto, faculdade, uma atração enorme e um universo de coisas que vão contra o romance. Mas, ao mesmo tempo, não se podem tirar os méritos do livro, pois este é um dos que eu mais me lembro de ter lido e de que mais gostei. Tanto Taylor, a mocinha, quanto Hunter, o bad boy, sexy, ultra clichê e ultra preferido das fantasias da mulherada, são cheios de problemas, de um passado obscuro que insiste em assombrá-los com frequência.

O que gostei em My Favorite Mistake é que, apesar de todo o “lugar comum” da história, a autora não deu ênfase apenas ao romance já previsível entre os dois. Ela soube incluir na narrativa diversos elementos que fizeram com que a trama tivesse reviravoltas interessantes e que deixavam a história mais cheia de conteúdo do que apenas o trivial que normalmente há em um romance.

Taylor está na faculdade. Ela é uma garota de gênio forte e temperamento explosivo, que mora com as amigas em um alojamento da faculdade. O que ela não esperava é que fosse dividir apartamento com um garoto, além das meninas. Hunter, olhar penetrante, sexy, corpo perfeito e um temperamento extremamente competitivo e provocador, chega para acabar com todo o bom humor de Taylor, ao mesmo tempo em que a deixa caidinha. A atração é inevitável, de ambas as partes.

Mas, é claro que, em um romance com tantos elementos comuns como há em My Favorite Mistake, há complicadores que impedem que a história deles seja calma e simples. O primeiro deles é que Hunter, diante da reação de Taylor, propõe um desafio não muito simples. Ele diz que sumirá da vida dela com uma condição: ela provar que o ama ou que o odeia. Nenhuma das duas opções é muito simples, embora se saiba que ela só não conseguiria provar a primeira se não abandonasse seu orgulho.

Porém, o tempo passa, a convivência deles acaba trazendo diversas coisas boas, a amizade e momentos compartilhados. Exceto por seus segredos mais profundos. Estes fantasmas que voltam para atormentar a vida deles, podem se tornar obstáculos permanentes para que a história tenha seu final feliz.

A narrativa de My Favorite Mistake é leve e rápida, com alguns momentos de tensão nos quais somos facilmente levados pelas páginas, sem conseguir largar o livro – ou, no meu caso, o iPad – nem por um segundo. Foi uma das leituras mais rápidas para mim. Se você tem algum conhecimento de inglês, vale a pena a leitura de My Favorite Mistake no idioma original, até que o livro seja publicado por aqui.