[Resenha] A redenção de Gabriel – Sylvain Reynard

A REDENÇÃO DE GABRIEL

Lançamento dia 14 de janeiro de 2014. Depois do escândalo em que se viram envolvidos em Toronto, Gabriel e Julia se casaram e se mudaram para Massachusetts, onde ele dá aula na Universidade de Boston e Julia faz doutorado em Havard. Agora ela precisa provar que não vive à sombra do marido famoso. Mas parece que Gabriel não está pronto para ver a esposa caminhar com as próprias pernas. Além disso, as coisas entre eles não vão muito bem. Isso porque Gabriel está ansioso para ter um filho, mas Julia quer concluir o doutorado primeiro. Para ver realizado seu sonho de formar uma família, Gabriel terá que enfrentar fantasmas do passado. Será ela capaz de fazer isso? E será que a generosidade de Julia resistirá à ameaça de ver arruinada a carreira que ela tanto se esforçou para construir? “A Redenção de Gabriel” é o desfecho brilhante dessa trilogia que arrebatou leitores no mundo inteiro.

O que eu achei de A Redenção de Gabriel?

O último volume dessa trilogia que eu venho resenhando não é tão empolgante quanto os outros dois. Na minha opinião mais sincera, acredito que o livro A Redenção de Gabriel foi completamente desnecessários. Com o desfecho do segundo livro estávamos contentes com a resolução de todas as histórias e mistérios envolvendo a vida e a história de amor de Gabriel e Julianne e, portanto, o último livro é mais como um apêndice do que uma parte integrante da história.

A história de A Redenção de Gabriel se passa com Gabriel e Julia casados, vivendo entre a Itália e os Estados Unidos, em meio a estudos, trabalho e conflitos típicos de casais recém-casados, além da inserção de diversos dramas familiares envolvendo o pai dela, Rachel (irmã de Gabriel) e várias histórias que tiveram que ser criadas para justificar o terceiro volume.

O livro A Redenção de Gabriel é bem escrito, como os demais, mas considerando o estilo “depois do felizes para sempre”, creio que perdeu boa parte do glamour e sensualidade dos anteriores, pois nem sempre é interessante saber o que acontece depois do final de um conto de fadas. Ninguém quer saber das dificuldades da vida da princesa quando ela e o príncipe encantado se tornam uma nova família, não é mesmo?

Sei que o autor não havia programado, como ele mesmo disse, no final do livro, escrever o terceiro volume da história, mas acabou fazendo isso por pressão dos fãs. Não gosto quando isso acontece. Na minha opinião, se o autor planejou a história para um volume ou dois, ele já se planejou para um enredo específico e a pressão por mais história dos mesmos personagens só tira a beleza do que foi inicialmente planejado.

Acho que foi isso que aconteceu com A Redenção de Gabriel. Não havia mais o que ser dito e, com a pressão por mais, por continuar com a mesma fórmula que teve tanto sucesso antes, a história que saiu não convenceu tanto quanto a original. Não teve o mesmo impacto e nem a mesma aceitação. Penso, como leitora, que devemos aceitar quando a vida literária de um personagem acaba, quando o que se tem a escrever sobre ele se esgota. Quando a história acaba, nossa imaginação é que é responsável por criar o que poderia ter acontecido depois… e isso só é bom quando cada um faz isso do seu jeito. Se não há mais nada a ser escrito, temos que partir para outro livro, outros personagens. Aceitar a perda e seguir em frente. É o que deveria ter acontecido com essa trilogia.

Apesar disso, leiam A Redenção de Gabriel. Já que leram os demais livros, terminem a trilogia e conheçam um pouco do que acontece da porta pra dentro do castelo.