[Resenha] O Projeto Rosie – Graeme Simsion

o-projeto-rosie
Título: O Projeto Rosie
Autor: Graeme Simsion
Editora: Record
Ano: 2013
Páginas: 320
Para se ter a vida de Don Tillman, não é preciso muito esforço. Às terças-feiras come-se lagosta com salada de wasabi (seguindo um roteiro com refeições padronizadas que evitam o desperdício de ingredientes e de tempo no preparo); todos os compromissos são executados de acordo com o cronograma – alguns minutos reservados para a prática do aikido e do caratê antes de dormir; uma hora para limpar o banheiro; três dias da semana reservados para suas idas à feira – e se, apesar dessa programação, algum desagradável contratempo surgir em sua rotina, não há nada que não possa ser solucionado com meia hora de pesquisa científica. Exceto as mulheres. Até o momento, a única coisa não esclarecida pelos estudos no campo de atuação de Don, a genética, é o motivo para sua incapacidade de arrumar uma esposa. Uma namorada ao menos? Ou até mesmo uma amiga para somar ao seleto grupo de amigos de Don, formado por Gene, também professor na universidade, e a mulher dele, Claudia, psicóloga e esposa muito compreensiva.

Para solucionar esse problema do modo mais eficaz, Don desenvolve o Projeto Esposa, um questionário meticuloso que irá ajudá-lo a filtrar candidatas inadequadas a seu estilo de vida: fumantes JAMAIS, e mulheres que se atrasam por mais de cinco minutos ou que usam muita maquiagem estão fora dos critérios pouco flexíveis que o levarão à mulher ideal.

O único problema é que um questionário desse tipo exige tempo e dedicação, duas coisas que começaram a diminuir exponencialmente no cotidiano de Don desde que ele conheceu Rosie: fumante, vegetariana e incapaz de chegar na hora marcada. Ou esse era o único problema até Rosie entrar na vida de Don e – despretensiosamente, uma vez que ela nunca se candidatou ao Projeto Esposa – mostrá-lo que a mulher ideal não existe, mas o amor, sim.

O que eu achei de O Projeto Rosie?

Don Tillman, o protagonista de O Projeto Rosie é um geneticista, nerd, que é totalmente avesso a imprevistos. Sua vida é absolutamente controlada pela programação que faz dos seus dias, contando até mesmo os minutos com as atividades mais irrelevantes. Tudo é cronometrado e controlado para que ele saiba exatamente quanto tempo tem e para qual atividade. Até mesmo sua rotina de exercícios físicos e de alimentação é toda planejada com a finalidade de economizar energia. Pela automatização de todas as tarefas de seu dia-a-dia, ele acredita que economizará energia e tempo. Estabeleceu um sistema de refeições programadas, pelo qual ele come exatamente a mesma coisa em cada dia da semana, já sabe o que vai comprar, onde vai comprar, quanto vai pagar e o tempo gasto no preparo de cada refeição. Don planeja até mesmo o tempo de cada atividade social, ainda que não sejam muitas e ele não seja nem um pouco preparado para esta atuação.

Ele só não conseguiu desvendar o mistério que envolve os relacionamentos e, como tudo em sua vida, resolve elaborar um planejamento para encontrar uma esposa. Já que ele não gosta de desperdiçar seu tempo, investe algumas horas na elaboração de um questionário detalhado, através do qual será possível selecionar a esposa perfeita. Ele estabelece os critérios e passa a participar de diversos encontros e atividades para solteiros, onde começa a colocar o seu questionário em ação. Depois de receber mais de 300 respostas de várias mulheres, inclusive via internet, Don está certo de que seus critérios, já bastante flexibilizados, após alguns encontros desastrosos, são adequados e que são as mulheres que não são feitas para ele.

Prestes a abandonar o projeto, ele conhece Rosie, uma mulher muito bonita, mas que não atende praticamente nenhum dos requisitos presentes no questionário de Don. Ela muda radicalmente vários aspectos da vida de Don, com seu jeito espontâneo e nada organizado, e é aí que a história começa a ficar boa.

O Projeto Rosie foi um livro que me chamou a atenção desde a capa. Ainda assim, por ser um autor que eu ainda não conhecia, achei melhor ler algumas outras coisas que estavam na minha meta de leitura antes de começar. Preciso parar de brecar meus instintos literários, porque esse livro foi muito bom!!

Quem é que não tem ou teve um amigo que ultrapassa os limites da nerdice? Don é esse cara, praticamente um Sheldon Cooper da literatura, e a caricaturização de alguns amigos meus.

Achei interessante a forma como o autor conduziu a história. Os personagens são muito bem caracterizados. O excesso de planejamento de Don, o jeito mulherengo de Gene e a forma espontânea de Rosie, que, ainda que não seja espalhafatosa, causa uma verdadeira bagunça na rotina estabelecida de Don. Não temos uma caracterização física perfeita de cada personagem, o autor se prende bem mais nos aspectos emocionais – ou racionais – de cada um deles. Mesmo assim, somos capazes de imaginar o que vai acontecendo em cada cena.

A reflexão trazida por O Projeto Rosie é a de que muitas impressões podem ser passadas de forma errada, caso nossa análise dos fatos seja feita de modo superficial. Nem sempre aquilo que parece o mais provável é a verdade, e o contrário também, às vezes aquilo que não damos nenhum crédito é a verdade. Aprendemos, ainda, que a racionalização de tudo pode nos privar de uma série de coisas boas e que, por mais que a otimização de tempo, espaço, dinheiro e energia mental seja uma forma excelente de planejar o dia-a-dia no trabalho, na vida pessoal esse mecanismo não é válido.