[Resenha] Charlotte Street – Danny Wallace

charlotte-street

Tudo começa com uma garota… (porque sim, sempre há uma garota…) Jason Priestley acabou de vê-la. Eles partilharam de um momento incrível e rápido de profunda possibilidade, em algum lugar da Charlotte Street. E então, em um piscar de olhos, ela partiu deixando-o, acidentalmente, segurando sua câmera descartável, com o filme de fotos completo… E agora Jason — ex-professor, ex-namorado, escritor e herói relutante — se depara com um dilema. Deveria tentar seguir A Garota? E se ela for A garota? Mas aquilo significaria utilizar suas únicas pistas, que estão ainda intocáveis em seu poder… É engraçado como as coisas algumas situações se desenrolam…

O que eu achei de Charlotte Street?

Charlotte Street é um livro que parece um filme.

A narrativa, em primeira pessoa, é rápida e leve – temos a impressão de que o narrador conversa com o leitor, lembrando os fatos aos poucos e não necessariamente em uma ordem lógica de raciocínio. Dizendo assim posso dar a impressão de que é um livro confuso, mas as peças se encaixam normalmente ao longo da leitura, sem nenhuma dificuldade de entendimento. Logo nas primeiras páginas já entramos no ritmo da narração e a leitura flui facilmente. Danny Wallace usa alguns recursos de humor ao longo de todo o livro, o que também colabora para a leveza da narrativa.

A história de Charlotte Street começa com Jason na Charlotte Street, em Londres, onde ele ajuda uma garota, segurando suas sacolas para que ela entre em um táxi. Eles se olham por instantes, apenas, mas Jason fica marcado por aquele olhar e, quando se dá conta, a garota já foi embora e, em suas mãos está a câmera fotográfica descartável dela.

Jason é um homem que teve seu relacionamento destruído por uma besteira que ele cometeu (mais uma), desistiu da carreira de professor e acabou como um jornalista freelancer de um jornal inexpressivo, morando com seu colega de faculdade e melhor amigo, Dev. Frustrado em sua vida profissional e em seu relacionamento, Jason não tem grandes expectativas em relação a nada, até que um simples acontecimento se transforma em seu objetivo principal: encontrar a garota. Só que ele é bem desajeitado e acaba se precipitando em alguns momentos, principalmente, porque não consegue se desvencilhar de seu passado e do relacionamento destruído com a ex-namorada.

A partir desta nova “missão” a que Jason se propõe, a história fica muito divertida, pelo envolvimento de Dev e os outros amigos de Jason na busca pela Garota e principalmente depois que Dev revela as fotos da câmera dela, em uma tentativa de encontrar “pistas” em suas fotos. O grupo segue por diversos locais e situações inusitadas em que, muito mais do que a Garota, Jason busca reconstruir-se após todas as frustrações que teve.

Dos amigos de Jason, Dev com certeza é o mais marcante. Ele acaba roubando a cena e é imprescindível para o desenrolar da trama e do destino do seu amigo. Ele é franco e direto, tem tiradas engraçadas e um modo muito peculiar de enxergar a vida. Na minha opinião, esse foi um personagem tão bem criado, que poderia facilmente ser protagonista.

Ao ler a sinopse de Charlotte Street imaginamos que seja mais um daqueles romances convencionais, em que tudo converge para que os dois fiquem juntos. Porém, no caso de Charlotte Street, não é bem assim. A história é muito mais voltada para Jason, suas frustrações e sua busca por fazer algo relevante, como ter um objetivo pelo qual lutar e persistir até o fim. O autor deu um toque de realidade à trama ao permitir que algumas coisas dessem certo e que outras dessem errado. Gloriosamente errado, no caso de Jason, que parece ser um mestre em meter os pés pelas mãos. Assim como na nossa vida, onde há coisas que dão certo e outras que dão errado, sem possibilidade alguma de previsão, sujeitas à nossa imaturidade ou precipitação ao lidar com determinados assuntos.

É um ótimo livro para passar o tempo, daqueles que a gente pega pra ler nas férias, tomando sol no clube ou na praia, deitada em uma rede ou no sofá no meio da tarde. É uma leitura que descansa e relaxa e, por isso, altamente recomendada.